top of page
  • Foto do escritorBatom Na Pista

Mônaco se rendeu a Max Verstappen

Num final de semana com poucas preocupações, o holandês fez bons tempos nos treinos, ficou com a pole e venceu em uma das mais clássicas pistas da temporada.


Por: Jamile Salomão, Setorista.


Foto: Reprodução/Red Bull Content Pool

O bom resultado da Red Bull era esperado tendo em vista seu bom desempenho no último ano com a vitória de Sergio Pérez e a dominância da equipe no campeonato deste ano. Porém, Max Verstappen foi além e entregou uma performance ousada e bastante técnica que deixou a torcida boquiaberta.


Nos treinos livres, tivemos o bicampeão cravando a volta mais rápida e se recuperando com o melhor tempo no TL3 enquanto seu companheiro, apesar de ter se saído bem nas sessões ficando logo atrás do holandês, decepcionou ao cometer um erro e se chocar contra a barreira da Saint Devote no Q1 do Qualifying.


Verstappen deu um show à parte no Q3 quando conseguiu, na última volta e em sua última oportunidade, bater o tempo de Fernando Alonso e ficar com o primeiro lugar do grid. Ninguém acreditava, o espanhol estava certo da conquista e quem assistia também. Contudo, com uma decisão de frear um pouco antes na última curva do setor, de maneira genial Max tirou o déficit e ainda colocou uma vantagem de 0.084 sobre o adversário.


Havia então dois extremos para a equipe taurina: um P1 e um P20 (ambos ainda se encontrariam na pista quando Max desse uma volta em Checo). Com uma largada tranquila, Verstappen manteve-se na primeira posição abrindo larga vantagem sobre o segundo colocado, Alonso, enquanto Pérez tentava uma escalada. O mexicano ficou "preso" na fila causada por Logan Sargeant por um tempo e, mais à frente, encontrou o carro de Lance Stroll. Nesse tempo, as ruas de Mônaco receberam a chuva para esquentar os nervos de todos os pilotos.


O grid dividiu-se entre pneus médios e duros, pois a grande maioria apostava num Safety Car com a perspectiva da chuva chegando e, quando isso aconteceu, todos foram aos boxes praticamente ao mesmo tempo. Sergio repetiu a ação por cinco vezes, optando no final pelos pneus de chuva forte da Pirelli que ainda não haviam sido estreados. Por outro lado, Max apostou no intermediário quando o traçado molhou por completo, tocou o muro algumas vezes a caminho do box, perdeu valiosos 8 segundos na troca, mas conseguiu retornar na mesma posição de largada.


Com os compostos ajustados, o holandês abriu 12 segundos de vantagem e finalizou a corrida tranquilamente recebendo a bandeirada final do Miranha, o ator Tom Holland, fechando com chave de ouro uma etapa solitária. Sergio Pérez terminou longe da zona de pontuação, a duas voltas de seu companheiro e com a vontade explícita de rever as estratégias da equipe em relação ao seu carro para Espanha visto que, em sua opinião, estavam bastante divergentes e afastando a possibilidade de disputa acirrada com o atual campeão mundial.



Comments


bottom of page