top of page
  • Foto do escritorBatom Na Pista

Miami e Red Bull, um evento solitário

Quem esteve no Hard Rock Stadium no último final de semana pôde assistir, além do GP em si, uma corrida à parte da Oracle Red Bull Racing.


Por: Jamile Salomão, Setorista.


Foto: Reprodução

Depois de dois dias de Treinos Livres e Qualificação, os espectadores da quinta etapa do Campeonato Mundial de Fórmula 1 puderam assistir mais uma vitória tranquila e isolada dos Taurinos.


Max Verstappen não fez a melhor classificação do ano e acabou largando em 9º, enquanto Sergio Pérez emplacou saindo na frente do companheiro de equipe mais uma vez. O mexicano aproveitou uma bandeira vermelha no final do Q3 para garantir a pole quando Charles Leclerc, da Ferrari, rodou e provocou a interrupção resultando no final precoce do treino. Verstappen, que se preparava para fazer sua volta rápida após falha na primeira volta da fase final da sessão, acabou sendo impedido e com o fim abrupto do treino não teve tempo de se recuperar.


Foi a segunda corrida do holandês no Hard Rock Stadium e a segunda atuação perfeita. Com uma performance impecável, ninguém conseguiu pará-lo na pista. Logo que as luzes se apagaram, ele iniciou uma escalada de posições e saiu do P9 para o P2 da prova em apenas 15 voltas, tendo ficado atrás do líder Checo por estratégias opostas.


Muito estão criticando Sergio Pérez por não ter mantido o primeiro lugar no GP de Miami, porém, pudemos ver que o comportamento dos pneus foi diferente do que todos esperavam na corrida de domingo.


“A cada GP, a Pirelli, fornecedora de pneus, oferece uma previsão das estratégias certas para a corrida. Nesta ocasião, o ideal proposto pela marca era começar com o médio e prolongar sua vida útil até às voltas entre os giros 13 e 20, momento em que deveriam entrar nos boxes para colocar duros e terminar o GP. (Luis Ramirez, Motorsport.com)."

O mexicano manteve essa estratégia e Christian Horner, inclusive, explicou à mídia que essa seria de fato a estratégia mais adequada para a corrida e que a decisão de Max largar com pneus duros era muito mais arriscada. Talvez isso tivesse se confirmado se não fosse pela chuva que caiu na madrugada de domingo e limpou a borracha da pista dos dias anteriores. Isso pode ter afetado mais o pneu médio que o duro, tendo em vista a menor vida útil de um em relação ao outro. Checo precisou, então, de mais esforço do carro e pneus fazendo com que a estratégia de Verstappen se sobressaísse mesmo tendo perdido posições na qualificação. Quando quesitonado sobre qual teria sido o maior erro, o piloto afirmou:


“Nosso erro foi não considerar as mudanças na pista de sábado para domingo, principalmente por causa da chuva."

Quando Max parou no final da prova para colocar compostos novos, enfrentou o máximo de performance que Pérez poderia oferecer, mas conseguiu conquistar o primeiro lugar. Sergio foi o primeiro a reconhecer o ritmo de seu parceiro na bandeirada final:


“Max mereceu a vitória porque ele era o carro mais forte lá fora.”

Depois de selar a quarta dobradinha do time na temporada e uma vantagem de 122 pontos no Mundial de Construtores, a exibição dominante dos Bulls continua. Agora é aguardar Emilia Romagna nos dias 19, 20 e 21 de maio.













Comments


bottom of page